segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016

Assim como fazemos em todos os anos, chegou a hora de olhar para trás e ver o que fizemos nesse ano que está no final, o "famigerado" 2016.
Um ano difícil para o país em todos os aspectos, com reflexos óbvios no nosso mercado. Mais que a situação econômica, o zeitgest foi muito desfavorável.
Especificamente no segmento de áreas contaminadas, houve uma clara redução no volume total de negócios, o que acarreta também em menor volume de trabalho para empresas prestadoras de serviços como a ECD. No nosso "mini-mercado" de sondagens ambientais, o aumento considerável de concorrentes de baixo custo contribuiu para uma queda ainda maior. Porém, como diz W Chan Kim, em "A Estratégia do Oceano Azul" o segredo do negócio é não ter concorrentes, ou seja, é preciso que a empresa crie o seu próprio mercado, onde somente ela possui a expertise necessária para atender os clientes. A ECD tem feito isso ao longo dos últimos 5 anos, investindo em inovação, pesquisa, treinamento, tecnologia, publicações, compartilhamento de conhecimento, entre outras coisas, buscando atingir um nicho onde não há concorrentes.
Mesmo assim, a ECD diminuiu de tamanho e em volume de negócios, porém, melhorou ainda mais a qualidade e a excelência nos serviços prestados, sendo continuamente reconhecida como uma das melhores empresas de coleta de dados para investigação de áreas contaminadas, o que nos traz realmente muito orgulho daquilo que fazemos. Dentre as realizações desse ano de 2016 estão:

- Participação na coleta de dados para o TCC de três alunos do SENAC, realizada na Indústria Zanetini Barossi, com a supervisão dos docentes Marcos Tanaka Riyis, Martim Afonso de Souza e Rodrigo Cesar de Araujo Cunha, onde pôde-se comprovar a importância de uma boa coleta de solo para a identificação e quantificação de massa retida/residual em uma área-fonte. Em breve, os resultados serão publicados pelos alunos







- Participação nos cursos de Pós-Graduação em Remediação de Áreas Contaminadas (RAC) e em Gerenciamento de Áreas Contaminadas (GAC) do Centro Universitário SENAC. No curso de RAC, o Diretor Técnico da ECD Marcos Tanaka Riyis é o Docente responsável pela disciplina Técnicas de Investigação para Remediação, e no curso de GAC, é Docente colaborador das disciplinas de Geologia, Hidrogeologia, Técnicas de Investigação e Remediação de Áreas Contaminadas. As participações foram sempre muito ricas, com muita troca de conhecimento entre ECD, os alunos e os docentes do SENAC.










 

- Aceite de um trabalho para exposição oral na Conferência Battelle: É um motivo de muito orgulho ter um trabalho aceito na maior Conferência sobre Áreas Contaminadas do mundo. O orgulho é ainda maior ao ser uma exposição oral, não um poster, como fizemos em 2014. E, para completar, na seção sobre HRSC, junto com Joe Quinnan e Nick Welty, da Arcadis/US, Seth Pitkin e Michael Rossi da Stone Environmental, Alex Mikszewski, da AMEC, James Butler, da Universidade do Kansas, ou seja, os "papas" do assunto no mundo inteiro!!!!! Mas, como nem tudo são flores, não pudemos ir para os EUA. Fica para a próxima, mas o trabalho certamente irá gerar um paper que será compartilhado aqui

- Realização de um trabalho inovador no estado do Rio de Janeiro utilizando a Caixa Preta de Investigação Geoambiental e o Piezocone de Resistividade (RCPTu), com a intenção de detectar as zonas de fluxo e de armazenamento e de identificar as camadas potenciais de conter LNAPL. O RCPTu foi utulizado como ferramenta de identificação das heterogeneidades hidrogeológicas em escala de detalhe e o Direct Push - Piston Sampler com retirada do liner e avaliação na Caixa Preta puderam melhorar muito o modelo conceitual e o entendimento da arquitetura da área-fonte. É importante destacar que o Piston Sampler foi a única forma de se obter amostras de solo verdadeiramente representativas do local, particularmente na zona saturada.









- Realização de trabalhos verdadeiramente de investigação em alta resolução utilizando um conjunto de técnicas e uma abordagem proposta por nós em 2012, e não simplesmente utilizando uma única ferramenta como "oráculo". Em um dos trabalhos foi possível, graças a uma estreita colaboração entre a ECD e a Consultoria, realizar toda a sequência de ações que fazem uma investigação ser realmente de alta resolução:
1) Tomada de decisão em campo por equipe de profissionais com autonomia e competência para a tarefa;
2) Amostragem de solo representativa via Direct Push, preferencialmente com Dual Tube, alternativamente com Piston Sampler ou Single Tube revestido por Hollow Stem Auger
3) Nos liners coletados, fazer uma varredura vertical com PID em campo, no mínimo com uma medição a cada 20 cm;
4) Nos pontos importantes (áreas-fonte, por exemplo), coletar e preservar adequadamente (NBR 16.434) amostras de solo na zona saturada e não saturada, no mínimo 1 por liner para análises em laboratório acreditado
5) Utilização de laboratório de campo ou cromatógrafo de campo para a análise de mais amostras de solo (pelo menos mais 2 por liner, além de outra alíquota onde foi mandada para o laboratório acreditado para "calibração");
6) Ensaio RCPTu para determinação das zonas de fluxo e armazenamento em escala de detalhe;
7) Coleta pontual de água subterrânea nas zonas de fluxo, com Screen Point Direct Push ou com a instalação de poços pré-montados de 3/4'' e seção filtrante discreta (30 cm)
8) Instalação de poços de monitoramento convencionais nas zonas-alvo importantes para o acompanhamento temporal das concentrações dissolvidas
9) Coleta de amostras deformadas e indeformadas nas camadas importantes, para a realização de ensaios físicos do solo que permitirão estimar a massa retida/residual e o fluxo de massa







Essa sequência de ações fez com que o modelo conceitual ficasse muito robusto e com as incertezas gerenciáveis

- Participação, como Docente Convidado, da disciplina de Gerenciamento de Áreas Contaminadas no curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental da UNESP

- Convite para participar, como docente colaborador, do Curso de Extensão em Investigação Geoambiental da UNICAMP na versão 2017 o que complementa a participação da ECD nos mais importantes cursos do Brasil nesse segmento

- Aprovação e apresentação de mais um trabalho no X Seminário Internacional de Remediação, promovido pelo Instituto Ekos . Em breve a apresentação em vídeo será disponibilizada no nosso Canal do YouTube, mas o material da apresentação já está disponível aqui

- Participação, em colaboração com a ERM/Brasil e a Haley & Aldrich, do desenvolvimento no Brasil de uma ferramenta idealizada por Murray Einarson para a avaliação da condutividade hidráulica qualitativa em conjunto com a amostragem pontual de água subterrânea para perfilagem vertical do aquífero. Quando essa ferramenta estiver finalizada, será possível coletar várias amostras representativas de água subterrânea, em várias camadas de fluxo, com apenas uma perfuração, aumentando o rol de opções na "caixa de ferramentas"da ECD






- Início do Canal da ECD no Youtube, para aumentar ainda mais a divulgação de conhecimento

- Participação, como docente convidado, do Curso de Investigação de Áreas Contaminadas da CETESB, ministrando uma aula sobre o Uso do RCPTu como ferramenta de investigação de alta resolução, podendo trocar ideias com o setor responsável pela avaliação dos trabalhos de investigação no Brasil, e em última análise é quem dá o aval para o uso da metodologia A ou B.





- Participação, como palestrante, de um treinamento para profissionais que atuam com áreas contaminadas dentro da Secretaria do Verde e Meio Ambiente da cidade de São Paulo-SP


Isso tudo em um ano atipicamente ruim. Em 2017, estaremos com força total, navegando no Oceano Azul. Feliz Ano Novo!!!!!



quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Canal da ECD no Youtube

Demorou, mas fizemos!!!!
A ECD inicia, agora em setembro/2016, seu canal no Youtube.
Para começar, subimos um vídeo, que é a apresentação que o Diretor Técnico da ECD Marcos Tanaka Riyis fez no 15o CBGE, em 2015, como já foi dito aqui.
Essa apresentação é um trabalho escrito pelo Marcos junto com Mauro Tanaka Riyis, Rafael Muraro Derrite e Heraldo Luiz Giacheti, que trata da varredura vertical de contaminação por hidrocarbonetos de petróleo utilizando um equipamento de UV-A desenvolvido pela ECD.

O vídeo pode ser acessado pelo Youtube ou visto abaixo.
Esperamos que gostem


segunda-feira, 27 de junho de 2016

LNAPL, Capilaridade, Crianças e o Manual do Mundo



É curioso como os conceitos que aprendemos durante um longo tempo, de repente se juntam de maneira inesperada e nos fazem encarar o mundo de uma nova forma. Em outras palavras, ocorre um insight.

Meu filho, de 4 anos, e meu sobrinho, de 5, adoram brincar de fazer experiências, especialmente as que eles vêm nos vídeos do Manual do Mundo, do Iberê Thenório (Tio Iberê, para eles). Recentemente adquirimos o livro do Manual do Mundo, com 50 experiências para fazer em casa (que, aliás, recomendo para todos que tenham filhos em idade escolar), e me deparei com uma experiência simples, mas muito interessante.

Na mesma hora, lembrei de minhas aulas recentes de Comportamento de Solos Não-Saturados, ministradas pelo professor Roger A. Rodrigues, da FEB/UNESP, dos treinamentos sobre LNAPL ministrados pelo ITRC,  das muitas aulas e palestras sobre Remediação de Áreas Contaminadas que assisti, e percebi que essa experiência seria o jeito mais fácil de explicar alguns fenômenos que observamos (ou não) no nosso dia a dia.

A experiência consiste em tampar o fundo de um canudinho de plástico comum e colocar nesse canudo, bem lentamente com um conta-gotas, algumas gotas de água (com corante) alternadamente com algumas gotas de óleo. O resultado é muito interessante por vários motivos: primeiro porque se não forem adicionados lentamente, nem água nem óleo conseguem descer até o fundo do canudo, mostrando que o ar deve ser expulso do poro para que água (ou óleo) entre nele; segundo porque é mais difícil o óleo entrar no poro do que a água (viscosidade, molhabilidade); terceiro (e principal) porque as camadas de óleo e água se alternam, ou seja, em algumas partes do canudinho, a água fica acima do óleo!!!!!!


Resultado da experiência

Livro do Manual do Mundo

 Livro do Manual do Mundo

Esse efeito é surpreendente, pois espera-se que toda a água fique na parte de baixo, pois é mais densa do que o óleo. No entanto, isso não ocorre no canudo por causa da tensão superficial entre a água (e o óleo) e as paredes do canudo, e a tensão superficial "ganha"da diferença de densidade. Se há tensão superficial suficiente na parede do canudo para conseguir esse efeito, pode-se imaginar o que ocorre com LNAPL nos poros do solo!!!!

Lembrei das aulas do professor Roger, que são destinadas principalmente aos estudos de Geotecnia, mas que têm muita utilidade para investigação e remediação de áreas contaminadas, pois elas mostram em detalhes como é o comportamento dos fluidos em um meio pouco poroso, como é o caso dos solos, particularmente na zona não saturada. Aprendi, entre muitas outras coisas, que, para baixar 20% da umidade de um solo argiloso, é preciso aplicar uma pressão muito elevada, porque os poros desse tipo de solo são muito menores que os de um solo arenoso, acarretando em uma tensão superficial muito elevada, que dificulta sobremaneira o movimento dos fluidos.

Lembrei também dos treinamentos do ITRC (entre outros estudos, como do John Cherry, Beth Parker, Bob Clearly, entre outros) que colocam por terra o “Pancake Model”, modelo tradicional para contaminações por LNAPL que apregoam que o LNAPL fica “boiando” sobre o aquífero, todo ele acima da água (que, por sua vez, estaria parada, como se estivesse em um aquário, e o solo fosse somente um detalhe).

Mas o senso comum na nossa área ainda entende de maneira muito forte que o LNAPL fica realmente “boiando” sobre o aquífero, portanto, todo o óleo (ou gasolina, ou diesel, ou outro LNAPL) pode ser encontrado acima da água subterrânea e basta succioná-lo ou bombeá-lo para que o aquífero fique “isento de LNAPL”, portanto, “remediado”.

Mas não precisa ser nenhum John Cherry nem ler todos os treinamentos do ITRC, nem mesmo ser usuário do software da API para perceber que o “pancake model” está totalmente equivocado, e que a fase livre imiscível (LNAPL ou mesmo DNAPL) está nos poros do solo intercalada com ar e água (na zona não saturada) ou com água (na zona saturada), e que sua entrada ou saída desses poros depende da tensão superficial, portanto, depende das características dos fluidos e, fundamentalmente, depende do solo em que essas todas essas fases estão inseridas.  Em resumo, a remediação terá seu fator limitante ligado às características do meio em escala de detalhe, não no dimensionamento de uma bomba de anel líquido ou de palheta. Mais uma vez percebe-se a importância de uma investigação adequada para o eventual “sucesso” de uma remediação, se é que nossa tecnologia é mais poderosa que as forças de van der Waals.

Para perceber isso, basta ler o Manual do Mundo, se divertir e fazer algumas simples experiências com seus filhos e sobrinhos. Afinal, nem só de Áreas Contaminadas vive um homem, não é mesmo? 

terça-feira, 26 de abril de 2016

ECD Tem Trabalhos Aceitos na Conferência Battelle

Com muito orgulho, a ECD Sondagens Ambientais anuncia que teve 3 trabalhos aceitos na maior conferência de Remediação de Áreas Contaminadas do mundo: A Chlorcon/2016, mais conhecida como Conferência Battelle.
E o orgulho é ainda maior porque um dos trabalhos, cujo autor principal é o Diretor Técnico da ECD Marcos Tanaka Riyis, foi aceito para exposição oral em uma das Sessões mais concorridas e importantes da conferência, a HRSC, ou High Resolution Site Characterization. 
O aceite desse trabalho coloca a ECD e seu corpo técnico no mesmo patamar de cientistas renomados do hemisfério norte, como Joe Quinnan e Nick Welty, da Arcadis/US, Seth Pitkin e Michael Rossi da Stone Environmental, Alex Mikszewski, da AMEC, James Butler, da Universidade do Kansas, entre muitos outros.
Desde 2011, quando resolveu investir fortemente em pesquisa, inovação e publicação, certamente a ECD atinge um novo patamar de excelência, comparável aos melhores do mundo, com essa aprovação.

Que venham muitas outras!!!!!!



domingo, 10 de janeiro de 2016

Obrigado, 2015!!! Feliz 2016!!!!!!!!!!

Embora o ano de 2015 tenha sido ruim na opinião de muitas pessoas, para nós da ECD, 2015 foi um ano bom, bem melhor que o anterior.
Antes de enumerarmos nossas conquistas e ações, podemos dizer que nosso faturamento cresceu 26%, os dias trabalhados cresceram 25%, os metros perfurados, poços instalados, amostragens de solo realizadas, etc, também cresceram na mesma proporção.
Mas, acima da frieza dos números, pudemos constatar um crescimento na qualidade do nosso serviço.
Nossos trabalhos esse ano foram mais desafiadores e pudemos colaborar mais com diferentes consultorias tanto na definição de escopo e até mesmo na interpretação de resultados e elaboração do Modelo Conceitual do Site, particularmente em investigações mais complexas que exigiram um olhar detalhado, coleta de dados em tempo real e alta resolução.
Como exemplo, podemos nos vangloriar de ter instalados poços de mais de 50 metros de profundidade com Hollow Stem Auger (sem injeção de fluido); de ter instalado poços em rocha isolando totalmente a camada de solo/sedimento E a alteração da rocha, além de coletado testemunhos da rocha para avaliação das fraturas; de ter ajudado a identificar LNAPL confinado em 2 sites através da metodologia de amostragem de perfil completo conjugada com determinação de zonas de fluxo/zonas de armazenamento; de ter desenvolvido novos equipamentos, procedimentos, ferramentas e metodologias, como o RCPTu com amostragem de água conjugada, a Caixa Preta de Investigação Geoambiental, que permite a identificação de LNAPL em amostras de solo por fluorescência; de ter ajudado a provar, em diversos sites, que não havia fase livre, mas sim uma massa retida/residual, e que o LNAPL aparente era causado por erros de execução dos poços, gerando economia de centenas de milhares de reais; de ter ajudado pelo menos duas tomadas de decisão de remediação de alguns milhões, ao identificar com precisão o centro de massa de contaminação de solventes clorados (em uma delas, o projeto original era injeção de oxidante ao custo de 3-4 milhões que, se fosse feita, não ia chegar nem perto da massa de TCE; após a investigação, o projeto mudou completamente e o custo ficará menor que 2 milhões e será feito por técnicas conjugadas no ponto certo);

Caixa Preta de Investigação Geoambiental

 Resultado do funcionamento da Caixa Preta: contaminação de hidrocarboneto detectada no liner

Além desses trabalhos, também temos muito a comemorar na produção/divulgação de conhecimento durante o ano de 2015:
- Em junho, foram publicados, na Revista Científica InterfacEHS, 3 artigos com participação da ECD, sendo um deles como autor principal;
- Em maio, junho, agosto e setembro, a ECD ministrou aula prática com demonstração de equipamentos, ferramenta e metodologias nos cursos de Pós Graduação do SENAC: Remediação de Áreas Contaminadas e Gerenciamento de Áreas Contaminadas;






 
- Em julho, o Sócio-Diretor Técnico Marcos Tanaka Riyis foi aprovado no processo seletivo e admitido no programa de Doutorado do programa de Pós Graduação em Engenharia Civil e Ambiental da FEB/UNESP, sob a orientação do Prof. Dr. Heraldo Luiz Giacheti;
- Em setembro, foi publicado o livro Geotecnia Ambiental, onde Marcos Tanaka Riyis é coautor de um dos capítulos,que trata de Investigação Geoambiental;
- Em outubro, a ECD teve dois trabalhos selecionados para apresentação oral no 15o CBGE, em Bento Gonçalves-RS
- Nesse mesmo Congresso, um dos trabalhos da ECD foi premiado como o melhor do Simpósio RESID;




 
- Também em outubro, a ECD foi convidada como debatedora no XI Painel de Debates sobre Áreas Contaminadas do SENAC, sobre Amostragem de Solos em Áreas Contaminadas;
 
- Em novembro, a ECD foi convidada a ministrar um curso sobre "Instalação e Desenvolvimento de Poços de Monitoramento", dentro do Groundwater Camp/2015 promovido pela ABAS.






- Para fechar o ano, em dezembro, a ECD foi convidada a publicar um artigo com o trabalho premiado no CBGE na Revista Científica RBGEA;

Foi, sem dúvida, um ano muito proveitoso. Esperamos repetir a dose em 2016.

Feliz Ano Novo!!!!!!!

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Livro de Geotecnia Ambiental

Marcos Tanaka Riyis, Diretor Técnico da ECD, é um dos autores de um capítulo do livro recém lançado pela Editora Elsevier chamado "Geotecnia Ambiental".
Voltado para alunos de Graduação e Pós Graduação em Geologia, Engenharia Civil, Engenharia Ambiental e áreas correlatas, o livro é bem completo e certamente irá auxiliar os estudantes que pretendam conhecer melhor o vasto e multidisciplinar campo da Geotecnia Ambiental.
Para a ECD é mais um motivo de orgulho ser convidada a contribuir com esse projeto, Coordenado pelo Professor Doutor Lázaro Zuquette, da USP-São Carlos, e particularmente da elaboração do  Capítulo 2, dedicado à Investigação Geoambiental, em conjunto com os Professores Doutores Heraldo Luiz Giacheti, da FEB/UNESP e Vagner Roberto Elis, da USP.
A ECD mais uma vez se diferencia, mostrando que é muito mais que uma empresa executora de serviços, mas sim, aquela que busca a melhor solução para a coleta de dados geoambientais.
Quem quiser conhecer melhor o livro, é só acessar o site da Editora. Boa leitura.